sábado, 7 de agosto de 2010

Catalizador da Evolução

Hallo!

Sugestão de música: http://www.youtube.com/watch?v=SX2aJPHFGY8

Livros são a maior ferramenta da humanidade para divulgação de conhecimento. Mesmo com o advento da internet os livros ainda na humanidade tem um papel importantíssimo na transmissão de histórias, história e conhecimentos.

Não sou um leitor assíduo de livros, mas leio muito textos. Mal posso numerar os livros que já lí, de tão poucos, mas sei que boa parte da minha mentalidade foi moldada a partir do que existe em livros. Desde pequeno quando meus pais liam para mim livros para eu ir dormir, livros educativos que formaram a base de minhas reações e noção moral, ou nos filmes, jogos e artigos baseados em livros, que, com seus personagens icônicos, refinaram minha visão de mundo e objetivos.

Sempre tive uma imaginação muito fértil, Mandag Súlimo que o diga, viajamos MUITO por horas e horas tardes e manhãs na escola a fora lidando com as histórias que imaginávamos e brincávamos (Role Playing), junto com outro amigo meu, Vítor, formamos verdadeiras histórias baseadas em muitas outras coletadas de vários livros, ou filmes (baseados em livros) como O Senhor dos Anéis, ou sagas de jogos como Warcraft (baseado também em Tolkien), ou em contos de Mitologia Grega, Nórdica, Egípcia, contos de vampiros, História Antiga, e mais tantas outras fontes que pesquisava e lia para por em prática naquele nosso universo. Algo que ainda guardo na minha memória de forma muito ativa, depois de anos de desenvolvimento, e sempre exponho quando jogo RPG.

Minha primeira associação quando penso em livros é primeiramente histórias, histórias que não necessariamente podem ser capitadas apenas em livros, já que filmes, por exemplo, transportam o que no livro está em escrita, para a forma oral. Repetirei novamente (e provavelmente se cansarão de ver eu falar sobre), o Senhor dos Anéis. Assisti em 2001~2002~2003 os filmes, e depois disso nunca mais fui o mesmo. Cacei internet a fora informações, revi os filmes N vezes, aprendi muito com cada passagem, sei de todo aquele universo sem ter contato direto com o livro, mas sim com a essência que dele passa, e o que aquilo engatilha em mim, demonstrando como que palavras passadas podem ser tão catalizadoras de nosso desenvolvimento.

Outro exemplo disso é Matrix, outro filme que alterou minha visão do mundo, com toda aquela sua filosofia oculta, que ativou em mim a curiosidade de estudo de certos aspectos existenciais que outrora nunca imaginaria. Graças a esse evento catalisador do filme passei a ler muita coisa sobre os temas nos filmes contidos, ou o que do próprio filme existe espalhado por ai e muita gente nem imagina. Sou orgulhoso por ter uma interpretação muito diferente dessas histórias.

Enfim, livros, filmes, o que seja, são formas de transmissão de conhecimentos, ideias, imaginações, fantasias, que nos ajudam a moldar nossa forma de ver o mundo, de desenvolver-nos como ser-humano, darmos mais valor em pequenos gestos, sabermos entender melhor os desafios que nos chegam, e aproveitar melhor os momentos de alegria que nos cercam, para evoluirmos nossa visão de mundo, pra ver além do que apenas nos dizem, perceber-nos e perceber o mundo. Um mundo mudado.

Tschüs!!

4 comentários:

Wesley Souza Brandão disse...

O trecho que cita Matrix me deixou bastante interessado tem todo o texto. A partir do filme Matrix os idéias cotidianos mudam bastante, claro se você ver o filme de uma forma toda superficial.

Mandag Súlimo disse...

Anos e anos de muito Role Playing hehehe, é uma pena que você não lê muitos livros, ainda mais do Tolkien, iria expandir e muito seu campo sobre o assunto, acho que é a única coisa que falta para você se tornar uma mestre em SDA e uma pessoa mais culta hehe =p

Sneonzeit Dämmerung disse...

Depende do que você absorve do que te cerca, conheço muitos não leitores com muito mais "conteúdo" e "cultos" que muitos leitores assíduos =P

Larissa disse...

Senhor do anéis encanta a todos né, eu era nova quando li o livro, então pra entender bem, eu reli alguns anos mais tarde...
e eu concordo com o Sneonzeit, muitos não leitores tem muito mais conteúdo do que leitores assíduos.